Siga me

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

AMOEDO É O CANDIDATO QUE MAIS CRESCE NAS REDES SOCIAIS JA PASSOU MARINA SILVA

Amoêdo é o candidato que mais cresce nas buscas do Google

Candidato à presidência pelo partido Novo, João Amoêdo hoje só fica atrás de Jair Bolsonaro no índice de interesse das buscas do Google
Google - sem bolsonaro - 12 meses
Apesar dos resultados ainda tímidos nas pesquisas eleitorais, com percentuais de intenção de votos entre 2% e 4% nas pesquisas mais recentes, João Amoêdo (Novo) é o candidato que mais cresce nas buscas realizadas no Google. 
A análise, feita via Google Trends, mostra que nas últimas semanas o interesse por Amoêdo ficou acima de Marina Silva, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad - todos eles com maior intenção de votos que o candidato do partido Novo.
 Acima dele, Jair Bolsonaro lidera o ranking de pesquisas (e também as pesquisas de intenção de votos) com sobras, com interesse entre três e quatro vezes maior que o de Amoêdo. Porém, como veremos adiante, o interesse pelo ex-capitão do Exército teve queda no último mês. 
No gráfico abaixo, para os últimos 30 dias, Ciro Gomes é quem teve o pico de buscas mais alto, no dia 10 de agosto - o dia do 1º debate eleitoral, na TV Bandeirantes, que não teve a participação de Amoêdo. Desde então, as buscas por Ciro tiveram queda e se estabilizaram. 

sem_bolsonaro_-_30_dias
Já as buscas por João Amoêdo tiveram grande crescimento a partir do dia 14 de agosto. Neste dia, o candidato divulgou sua lista de bens e patrimônio - com R$ 425 milhões, trata-se do presidenciável mais rico na disputa.
O crescimento do interesse pelo ex-executivo do setor bancário fica mais claro ao considerarmos as buscas no Google nos últimos 12 meses. Em agosto, as buscas pelo seu nome dispararam, alcançando mais que o dobro do patamar de Ciro Gomes.
sem_bolsonaro_-_12_meses
O aumento nas buscas parece se refletir nas últimas pesquisas eleitorais. No último levantamento do Datafolha, pela primeira vez Amoêdo chegou a 2%, superando Henrique Meirelles (MDB) e Guilherme Boulos (Psol).
Na pesquisa encomendada pelo instituto FSB e divulgada na última segunda-feira, o candidato do Novo atingiu 4%, superando Alvaro Dias (PODE), com 3%, e pouco atrás de Fernando Haddad (PT), com 5%. 
Ao incluir Jair Bolsonaro na análise, porém, fica claro o tamanho do interesse que o candidato do PSL gera na internet - algo que explica também sua liderança em todas as pesquisas de intenção de votos que consideram Haddad como candidato do PT, excluindo Lula.  Abaixo, o gráfico dos últimos 30 dias:
com_bolsonaro_-_30_dias
O pico de interesse por Bolsonaro ocorreu no dia 31 de julho, quando o ex-capitão participou do programa Roda Viva. Nas semanas seguintes, houve queda e estabilização na quantidade de buscas, que mesmo assim continuam muito acima dos outros candidatos. 
A análise do Google Trends também revela dados demográficos relevantes a respeito do interesse gerado pelos candidatos em diferentes estados. 
As buscas por Ciro Gomes, por exemplo, atingem seu pico no Ceará, terra natal do candidato do PDT - e onde ele já foi governador. Algo parecido ocorre com Marina Silva (no Acre) e com Álvaro Dias (Paraná). 
Geraldo Alckmin é bastante buscado em São Paulo (onde acumula três mandatos como governador) e também no Piauí, enquanto o interesse por João Amoêdo se concentra no sul e sudeste do país. 
O mais surpreendente aqui é Fernando Haddad. Apesar de ser mais conhecido em São Paulo, onde foi prefeito da capital, as buscas por seu nome estão concentradas nos estados do nordeste, tradicional reduto de votos do PT e de Lula. 
Pode ser um indicativo da tão esperada transferência de votos de Lula para Haddad, um fenômeno que ainda deve mexer bastante com os rumos da corrida à presidência.

CIRO GOMES MOSTROU QUE ESTÁ PREPARADO PARA SER O PRESIDENTE DO BRASIL

Ciro Gomes, na sabatina do Jornal Nacional, parece ter saído melhor que entrou

O JN, em termos de audiência, é muito maior que os dois primeiros debates presidenciais somados
Ciro Gomes

SÃO PAULO - O candidato teve um começo complicado, já que a pauta era apoio a Lava Jato, e ele é autor de diversas frases polêmicas sobre a operação. Depois, teve contestada a sua intenção de nomear para o governo “no cargo que ele escolher” o presidente do PDT, Carlos Lupi. Quando informado sobre processos contra Lupi, Ciro não teve resposta contundente sobre o assunto.
Quando ficou livre para falar, Ciro acabou por equilibrar o jogo. Assim foi no tema “limpar nome do SPC”, que ele defendeu e apresentou uma espécie de plano. 
Ciro tomou cuidados políticos e defendeu o governo Lula, de quem ele espera herdar votos. O candidato foi muito taxativo ao dizer que seus inimigos serão os “bancos e os rentistas”.
Terá Ciro ganhado votos? Se sim, foram poucos. Mas é inegável que sobreviver a esta primeira apresentação de massas é fundamental para qualquer candidato. O JN, em termos de audiência, é muito maior que os dois primeiros debates presidenciais somados. Ir mal sim cobraria um preço mais evidente.
  
Hoje teremos Jair Bolsonaro na bancada. Pelo espírito dos entrevistadores William Bonner e da Renata Vasconcelos é razoável esperarmos um debate duro, com perguntas diretas e polêmicas. 

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

TRAFICANTE É PRESO EM SÃO PAULO POR NÃO SABER ESCREVER.

Erro de ortografia faz polícia achar quase quatro toneladas de maconha em SP


Divulgação/PRF
Um homem de 31 anos foi preso em flagrante por transportar quase quatro toneladas de maconha na Rodovia Régis Bittencourt em Cajati, no interior paulista.
O carregamento chamou atenção da polícia por causa de um erro ortográfico na nota fiscal.
Policiais rodoviários federais interceptaram o caminhão em um posto de fiscalização. O veículo transportava um contêiner frigorífico e estava com a documentação em dia e regular, assim como a do condutor.
No entanto, os policiais verificaram que, na descrição do produto estava escrito “dorço” de frango congelado – a grafia correta é “dorso”.  A carga foi alvo de uma varredura dos policiais, que encontraram 3.920 kg de maconha, escondida em meio à carga.
Questionado, o homem admitiu que carregou congelados em Cascavel (PR) e que um amigo pediu o transporte da droga em seguida. Ele receberia R$ 21 mil pelo frete – apenas R$ 6 mil pelo frango.
O caso será investigado pela polícia e o motorista ficará à disposição da Justiça.

domingo, 19 de agosto de 2018

JOÃO AMOEDO, MOSTRA DE ONDE VEM SEU PATRIMÔNIO AO CONTRÁRIO DE MUITOS POLÍTICOS.

Como João Amoêdo conquistou patrimônio de R$ 425 milhões

Em evento nesta semana, o candidato do Novo comenta que começou a carreira como trainee de banco
João Amoêdo
SÃO PAULO – João Amoêdo, candidato à presidência da república pelo Novo, chocou os eleitores brasileiros ao declarar patrimônio de R$ 425 milhões – metade aplicado em renda fixa. Nesta semana, após questionamentos sobre sua carreira e até sua lucidez, por expor valores tão altos, apareceu em um vídeo comentando como chegou a ter tal quantia em bens e aplicações.
Diferentemente de uma parcela dos eleitores, Amoêdo considera “favorável” a diferença patrimonial que ostenta frente aos demais candidatos. “Trabalhei na iniciativa privada a vida toda”, diz. “A gente vê pessoas que entraram para a política e da política saíram ricos. Eu estou fazendo o movimento contrário: comecei do zero como trainee em um banco, trabalhei bastante e construí esse patrimônio”, complementa.
O candidato acrescentou, ainda, que agora pretende devolver um pouco disso ao país: “tenho dedicado os últimos 8 anos da minha vida ao Novo e pagando tudo isso do meu próprio bolso”. Em 2016, o Valor noticiou que Amoêdo desembolsou R$ 4,5 milhões para viabilizar o partido. 
Amoêdo menciona rapidamente que iniciou a carreira como trainee de um banco. No site oficial da candidatura, o partido descreve com um pouco mais de detalhes esta trajetória.
Após completar as graduações de Engenharia Civil na UFRJ e Administração de Empresas na PUC-Rio, o então jovem profissional ingressou no programa de Trainee do Citibank, dentro do qual foi promovido a gerente 3 anos depois, aos 25. De partida, vale lembrar que grandes bancos tendem a pagar bônus de produtividade a seus funcionários, além do salário - e que estes valores crescem exponencialmente conforme a hierarquia.
Logo no ano seguinte, ingressou no BBA. Um tempo depois, tornou-se Diretor Executivo, e em 1999 assumiu a gestão da Fináustria, financeira do banco. O site do candidato credita à sua gestão a transformação da empresa, então deficitária, em uma operação lucrativa.
Como se sabe, a Fináustria foi comprada em 2002 por 3 vezes seu valor patrimonial (R$ 650 milhões) dentro do negócio de R$ 3,3 bilhões que transformou o BBA em uma empresa do Itaú. Neste negócio, é razoável intuir que Amoêdo fosse acionista relevante da empresa que presidia e tenha levantado parte importante de sua fortuna inicial.
Ainda segundo o site da candidatura, Amoêdo foi convidado a assumir a vice-presidência do Unibanco em 2004 e, um ano depois, deixou este cargo para se tornar membro do Conselho de Administração. No fim de 2008 foi que o Itaú e o Unibanco anunciaram a fusão que criaria o maior banco do hemisfério sul. “Em 2009, passou a fazer parte do conselho de administração do Itaú-BBA, cargo que ocupou até 2015”, complementa o site do candidato. Ele também foi membro do conselho de administração da empresa João Fortes Engenharia. 
Vale lembrar que ganhar dinheiro não é o suficiente para construir - e manter - patrimônio milionário. A declaração patrimonial de Amoêdo demonstra que o candidato é altamente conservador em sua carteira de investimentos, aplicando mais da metade do que possui em renda fixa (as carteiras de todos os candidatos podem ser vistas aqui). Outras parcelas relevantes estão em cotas de empresas e fundos de investimentos. Confira os bens discriminados:
Bem declarado Valor do bem Part %
Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros) R$217.538.262,19 51,2%
Quotas ou quinhões de capital R$120.223.573,67 28,3%
Fundo de Longo Prazo e Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) R$44.267.410,59 10,4%
APARTAMENTO R$16.478.874,02 3,9%
Fundos: Ações, Mútuos de Privatização, Invest. Empresas Emergentes, Invest.Participação e Invest. Índice Mercado R$11.063.444,34 2,6%
Casa R$6.456.171,49 1,5%
Embarcação R$4.127.245,00 1,0%
Jóia, quadro, objeto de arte, de coleção, antiguidade, etc. R$1.173.645,00 0,3%
TERRENO R$1.021.146,63 0,2%
Crédito decorrente de empréstimo R$780.000,00 0,2%
VEÍCULO AUTOMOTOR R$621.000,00 0,1%
SALA OU CONJUNTO R$504.800,00 0,1%
outros bens e direitos R$390.300,00 0,1%
Título de clube e assemelhado R$350.858,89 0,1%
Caderneta de poupança R$59.552,61 0,0%
Depósito bancário em conta corrente no País R$9.402,19 0,0%
Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica) R$1.298,84 0,0%
TOTALR$425.066.985,46 100,0%

JOÃO AMOEDO É O CANDIDATO QUE BANCA CAMPANHA E PARTIDO COM SEU PRÓPRIO DINHEIRO E NÃO ESCONDE SEU PATRIMÔNIO.

O atrevimento de João Amoêdo

É duro encarar esse enraizado preconceito que mescla ideologia política com culpa religiosa, como vimos pelas reações à declaração de bens feita pelo presidenciável do NOVO
João Amoêdo
Da ineficiente administração pública à voracidade das corporações, passando por um sistema político desenhado para dificultar mudanças e sem contar com a corrupção desenfreada, não faltam gargalos para explicar o porquê de o País ter patinado tanto nos últimos anos até conhecer a pior crise de sua história. Ainda assim, verdade seja dita, não deixamos de jogar luz sobre a arrogância de Dilma Rousseff, Nelson Barbosa e grande elenco. Também é inegável que o desequilíbrio em favor do funcionalismo público está na berlinda. Quanto à corrupção, a Lava Jato permanece viva. E a cláusula de barreira começa a ser questionada até por quem manja pouco do assunto.
Sim, sobram desafios, mas a expectativa de revertê-los é real. Principalmente se optarmos por governantes com capacidade administrativa comprovada em vez de novos postes ou aventuras sem cabimento. Duro mesmo, porém, será encarar esse enraizado preconceito que mescla ideologia política com culpa religiosa, como vimos pelas reações à declaração de bens feita pelo presidenciável João Amoêdo (NOVO).
O candidato declarou ontem, ao TSE, um patrimônio pouco acima de R$ 425 milhões. Desses, cerca de 120 milhões estão aplicados em participações de empresas, 44 em fundos de investimento e o restante, por volta de 217 milhões, em renda fixa. Pronto, desatou indignação em Sucupira.
Como Amôedo se atreve a ter tanto em um país tão desigual? Aliás, pior ainda do que ser rico, como o prócer do Partido Novo tem a pachorra de registrar esse fato? Isso, sem falar, é claro, que grande parte da quantia está aplicada de modo a florescer às custas do Estado.
 Pois bem, dentre tantas pensatas dignas de uma sociedade fadada à mediocridade, devo reconhecer, o incômodo pela sinceridade do referido postulante à Presidência me fez rir. Quer dizer, para os vigilantes da prosperidade alheia, certo seria indicar um valor pífio, incoerente com  sua vida pública e seus ganhos. Afinal, exemplos assim não faltam e jamais provocam barulho.
 Quanto ao queixume pelas modalidades preferidas de investimento — como no caso da renda fixa —, trata-se de um mero espantalho e que, portanto, não merece ser levado em conta. No fundo, insisto, o grande pecado de Amoêdo reside no ter. Pouco interessa se fez por onde.
Ao contrário de muitos dos meus amigos, estou longe de ser um fã inveterado do Partido Novo ou do próprio João Amoêdo. Reconheço o caráter a princípio bem intencionado, mas me incomoda bastante, apenas para citar um exemplo, esse discurso calcado em liberalismo econômico e conservadorismo nos costumes.
 Dito isso, é uma pena que mesmo após tantas mazelas recentes, provocadas justamente por dilemas novelescos como esse, ainda não tenhamos aprendido a lição.
Desde que dentro da lei, a busca pela maior prosperidade possível jamais deveria ser vista como um problema, mas como um estímulo.

AMOEDO O CANDIDATO IDEAL PARA GOVERNAR O BRASIL

João Amoedo conquistou mais seguidores durante o debate do que Ciro e Alckmin - e ele nem estava lá

O perfil do candidato no Twitter conquistou 5 mil novos seguidores enquanto seus oponentes debatiam ao vivo
João Amoêdo

SÃO PAULO - O presidenciável João Amoêdo (Novo) ampliou mais sua base de seguidores nas redes sociais durante o debate da TV Bandeirantes do que a maior parte dos candidatos que estavam ao vivo na rede aberta de televisão e em transmissão via internet. 
O debate eleitoral é garantido por lei, mas não é para todos os candidatos. Segundo a legislação eleitoral, só candidatos de partidos com pelo menos cinco parlamentares têm participação garantida, sendo que a inclusão de mais nomes fica sob a responsabilidade de cada emissora. Foi por causa dessa regra que Amoêdo ficou de fora do primeiro debate entre presidenciáveis, exibido pela Band na noite de quinta-feira (10).

Um abaixo assinado pedindo sua participação no evento coletou mais de 230 mil assinaturas, mas não reverteu a decisão. Apesar disso, o perfil de João Amoedo no Twitter conquistou 5 mil novos seguidores enquanto seus oponentes debatiam ao vivo, conforme informações de sua assessoria de imprensa. 

Entre os debatedores, Bolsonaro foi o candidato que mais conquistou novos fãs e seguidores nos seus perfis oficiais nas redes sociais, com 10.520, o equivalente à soma total dos ganhos no Twitter e no Facebook de Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (Psol), Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB), segundo dados do Sistema Bites.
Amoêdo acompanhou a transmissão e opinou em suas redes sociais sobre alguns dos temas propostos no debate, o que ajudou em seu desempenho. Com isso, ele conquistou mais seguidores do que Cabo Daciolo (2.896), até então desconhecido da maior parte dos eleitores, Guilherme Boulos (3.763), Ciro Gomes (3.648), Alckmin (529), Marina (530), Alvaro Dias (1.198) e Henrique Meirelles (337). 

LULA IMPULSIONANDO HADDAD, PLANO B É COLOCADO EM PRÁTICA.

Haddad chega a 15%, com apoio de Lula, e divide liderança com Bolsonaro no limite da margem de erro, mostra XP/Ipespe

"Plano B" do PT oscila positivamente em todos os cenários que seu nome é considerado e fica a 6 pontos de Bolsonaro quando apoiado pelo ex-presidente -- diferença dentro do limite da margem de erro

SÃO PAULO - Na semana em que os partidos e coligações registraram seus candidatos para as eleições, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manteve a liderança no cenário em que seu nome é considerado. É o que mostra pesquisa XP/Ipespe realizada entre 13 e 15 de agosto. Segundo o levantamento, o petista tem 31% das intenções de voto, mantendo seu maior patamar da série histórica, iniciada em 15 maio. Logo atrás aparece o deputado Jair Bolsonaro (PSL), com 20%, seguido por um empate técnico entre Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%, Marina Silva (Rede), com 8%, Ciro Gomes (PDT), com 7%, e Álvaro Dias (Podemos), com 5%. Brancos, nulos e indecisos somam 16%. Preso há 4 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Lula é potencialmente inelegível pela Lei da Ficha Limpa e tem baixas chances de participar da disputa.
 William Waack e Rossano Oltramari mostram quem deve vencer a eleição e como ganhar com isso
A pesquisa, registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o código BR-02075/2018, também testou o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, vice na chapa encabeçada por Lula, como candidato do PT. Com a possibilidade de o ex-presidente ser barrado pela Lei da Ficha Limpa, Haddad é tido como "plano B" do partido para substituí-lo na disputa até 17 de setembro. Neste cenário, o ex-prefeito aparece com 7% das intenções de voto -- crescimento de 4 pontos percentuais em relação à semana anterior. A margem de erro máxima da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais para cima ou para baixo. A simulação coloca o deputado Jair Bolsonaro como líder, com 23%, mesmo patamar da semana anterior. Brancos, nulos e indecisos somam 31%, ao passo que Marina, Alckmin, Ciro e Álvaro Dias aparecem novamente em empate técnico, desta vez juntamente com Haddad.
Haddad registrou oscilação positiva em todas as simulações que consideram eventual substituição da candidatura de Lula por seu nome, inclusive de segundo turno. Ainda são necessárias novas pesquisas para se verificar se já existe uma sinalização de tendência de transferência de votos entre os candidatos petistas. Para uma melhor observação deste efeito, a pesquisa testou a corrida presidencial com um eventual apoio de Lula a Haddad explicitado na pergunta feita aos entrevistados. Neste caso, o ex-prefeito tem 15% das intenções de voto, uma oscilação de 2 pontos percentuais em comparação com a última pesquisa. Com isso, Haddad entraria em empate técnico com Bolsonaro, que conta com apoio de 21%. A diferença de 6 pontos está dentro do limite da margem de erro, que também coloca o petista em condição de empate técnico com os candidados Geraldo Alckmin e Marina Silva, ambos com 9%. O grupo dos "não voto" soma 28%.
Renda Fixa global permite ao investidor fugir do "Risco-Brasil"
Confira os cenários de primeiro turno testados pela pesquisa:
Pesquisa espontânea: sem apresentação de nome dos candidatos
ipespe1708a
Cenário 1: com Lula candidato
ipespe1708d
Cenário 2: com Fernando Haddad candidato pelo PT
ipespe1708b
Cenário 3: com Fernando Haddad, "apoiado por Lula"
ipespe1708c
Confira a série histórica das pesquisas XP/Ipespe.

Segundo turno

Foram testadas sete situações de segundo turno. Em eventual disputa entre Alckmin e Haddad, o tucano venceria por 35% a 25%, com 41% de brancos, nulos e indecisos. A diferença chegou a ser de 16 pontos percentuais a favor do candidato do PSDB em três semanas.
Em uma simulação de disputa entre Lula e Bolsonaro, o petista aparece à frente, com 43% das intenções de voto contra 34% do parlamentar, acima do limite máximo de margem de erro de ambos, e com 24% de brancos, nulos e indecisos. Três semanas atrás, a vantagem era de 6 pontos, o que configurava empate técnico. No início da série histórica, o deputado aparecia 2 pontos à frente, também em situação de empate técnico, já que, pela margem de erro (3,2 p.p.), o petista poderia até superá-lo.
-  William Waack e Rossano Oltramari mostram quem deve vencer a eleição e como ganhar com isso
Caso Bolsonaro e Alckmin se enfrentassem, a situação seria de empate técnico, com o deputado numericamente à frente, com 34% contra 32% do tucano. Brancos, nulos e indecisos somam 29%. A diferença entre os candidatos chegou a ser de 7 pontos percentuais a favor do parlamentar na quarta semana de maio, acima do limite da margem de erro de ambos. Em nenhum momento até aqui o tucano esteve à frente.
Em eventual disputa entre Marina Silva e Bolsonaro, o cenário também é de empate técnico, com a ex-senadora numericamente à frente por 36% a 34%. Brancos, nulos e indecisos somam 29%. O deputado esteve numericamente à frente nos dois primeiros levantamentos da série, realizados na terceira e quarta semanas de maio, quando a diferença chegou a ser de 6 pontos percentuais a seu favor, também dentro do limite da soma das margens de erro de ambos os candidatos. Os dois estão tecnicamente empatados nesta simulação desde a primeira pesquisa realizada, em maio.
Empate técnico também é observado na simulação de disputa entre Alckmin e Ciro, com o tucano numericamente à frente por 32% a 27%. A diferença, dentro do limite das margens de erro, é a mesma da semana anterior. Brancos, nulos e indecisos agora somam 42%. Na última semana de junho, os dois apareciam com 32% das intenções de voto. Já na primeira semana daquele mês, o pedetista esteve numericamente à frente por diferença de 3 pontos, único momento em que liderou, embora dentro da margem de erro.
Se Bolsonaro e Ciro se enfrentassem em uma disputa de segundo turno, o cenário também seria de empate técnico, como nas últimas dez semanas, com o parlamentar numericamente à frente, com 33% das intenções de voto contra 30% do pedetista. Brancos, nulos e indecisos somam 36%. Nos dois primeiros levantamentos, o deputado vencia a disputa com diferença superior à soma das margens de erro dos candidatos.
-  William Waack e Rossano Oltramari mostram quem deve vencer a eleição e como ganhar com isso
A pesquisa também simulou disputa de segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. Ao contrário das últimas quatro semanas, o cenário agora é de empate técnico, com o parlamentar numericamente à frente por 37% a 32%. O grupo dos "não voto" soma 31%.

Rejeição aos candidatos

A pesquisa também perguntou aos entrevistados sobre os candidatos em que eles não votariam sob nenhuma hipótese. O líder em rejeição continua sendo Lula, com taxa de 60%, mesmo percentual de Marina Silva. Foi a máxima já registrada pela ex-senadora. Neste quesito, outros quatro nomes aparecem tecnicamente empatados com a dupla: Ciro Gomes (59%), Geraldo Alckmin (59%), Jair Bolsonaro (58%) e Fernando Haddad (54%). A trajetória dos principais nomes nas últimas sete pesquisas está na tabela abaixo:
CANDIDATO DE 02 A 04/07 DE 09 A 11/07 DE 16 A 18/07 DE 23 A 25/07 DE 30/07 A 01/08 DE 06 A 08/08 DE 13 A 15/08
Lula 62% 61% 60% 60% 61% 60% 60%
Jair Bolsonaro 52% 54% 53% 55% 57% 57% 58%
Marina Silva 58% 58% 57% 59% 59% 59% 60%
Ciro Gomes 59% 60% 59% 58% 61% 60% 59%
Geraldo Alckmin 59% 59% 58% 58% 60% 57% 59%
Álvaro Dias 48% 47% 47% 48% 47% 46% 48%
Fernando Haddad 57% 57% 56% 59% 58% 56% 54%
Fonte: XP/Ipespe

Metodologia

A pesquisa XP/Ipespe foi feita por telefone, entre os dias 13 e 15 de agosto, e ouviu 1.000 entrevistados em todas as regiões do país. Os questionários foram aplicados "ao vivo" por entrevistadores (com aleatoriedade na leitura dos nomes dos candidatos nas perguntas estimuladas) e submetidos a fiscalização posterior em 20% dos casos para verificação das respostas. A amostra representa a totalidade dos eleitores brasileiros com acesso à rede telefônica fixa (na residência ou trabalho) e a telefone celular, sob critérios de estratificação por sexo, idade, nível de escolaridade, renda familiar etc.
O intervalo de confiança é de 95,45%, o que significa que, se o questionário fosse aplicado mais de uma vez no mesmo período e sob mesmas condições, esta seria a chance de o resultado se repetir dentro da margem de erro máxima, estabelecida em 3,2 pontos percentuais. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo código BR-02075/2018 e teve custo de R$ 30.000,00.
O Ipespe realiza pesquisas telefônicas desde 1993 e foi o primeiro instituto no Brasil a realizar tracking telefônico em campanhas eleitorais, a partir de 1998. O instituto tem como presidente do conselho científico o sociólogo Antonio Lavareda e na diretoria executiva, Marcela Montenegro.
Em entrevista concedida ao InfoMoney em 12 de junho, Lavareda explicou as diferenças de metodologias adotadas pelos institutos de pesquisa e defendeu a validade de levantamentos feitos tanto presencialmente quanto por telefone, desde que em ambos os casos procedimentos metodológicos sejam seguidos rigorosamente, com amostras bem construídas e ponderações bem feitas.