Siga me

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

CAMPANHA DE CARNAVAL NA BAHIA CHOCA IGREJAS EVANGÉLICAS

Campanha do Governo de doação de sangue com o slogan “O Sangue de Jesus não salva ninguém!” causa polêmica no Facebook!
A imagem apareceu em uma das fanpages mais populares no Brasil, a Admiradores da Rachel Sheherazade (página criada em homenagem a uma jornalista que trabalha no SBT), no dia 13 de janeiro de 2015 e mostra o que parece ser uma propaganda com o símbolo do Governo Federal, com palavras de incentivo à doação de sangue.
O que causou polêmica na imagem é a frase:
“O SANGUE DE JESUS NÃO SALVA NINGUÉM, MAS O SEU SIM DOE SANGUE.”
A publicação teve milhares de compartilhamentos e outros milhares de comentários de usuários indignados com a campanha considerada desrespeitosa, mas será que isso é verdade?
Campanha de doação de sangue criada pelo Governo tem slogan polêmico! Será verdade? (foto: Reprodução/Facebook)

PEIXE PORCO

 
PEIXE COM FOCINHO DE PORCO É CAPTURADO NA COMUNIDADE DE CURÍ MUNICÍPIO DE AVEIRO.
 
Foto de um peixe com características de um porco que teria sido pescado em uma comunidade do município de Aveiro, o pescador que mora na capital da manga Fordlândia, envio as fotos pra nossa redação mas não quis se identificar, disse apenas que estava assustado, pois tudo indica que este peixe se alimenta de manga e com certeza estaria uma cidade rica desse produto.
Imediatamente autoridades do municipio entraram em contato com com UFA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE AVEIRO) especificamente com os coordenadores do curso de pesca daquele município que se deslocaram até o local para averiguar os fatos. mais notícias aqui no blog.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Dr. JOSÉ RONALDO CAMPOS CANDIDATO AO DESEMBARGO.

JOSÉ RONALDO DIAS CAMPOS, ELE É O REPRESENTANTE DE SANTARÉM E DO OESTE DO PARÁ NA ELEIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (29) AO DESEMBARGO. VAMOS TORCER POR ELE.

Sou candidato a uma vaga no TJE/PA, pelo Quinto Constitucional, representando todos os advogados deste Estado, destacadamente os do interior, que sofrem com a distância que nos separa da capital.


Comendas: Colar da Ordem do Mérito Advocatício – Grau Ouro – honra outorgada pelo Conselho Seccional da OAB – Seção do Pará – na Assembleia Paraense; Troféu concedido pelo Conselho Federal da OAB pelos relevantes serviços prestados à advocacia Brasileira, recebido em Brasília; Título de Honra ao Mérito conferido pela Câmara Municipal de Santarém – Decreto Legislativo nº 038/93; Moção de Louvor nº 133/2002 concedida unanimemente pela Câmara Municipal de Santarém; Moção de Louvor n° 73/2003 concedida unanimemente pela Câmara Municipal de Santarém; Paraninfo, Patrono e Nome de Turma por diversas vezes na FIT, ILES/ULBRA e UFPA/UFOPA; Medalha em Homenagem aos 350 anos de Santarém/PA, concedida pelo município, em junho de 2011.

Advogado há mais de 30 anos ininterruptos, militando nas áreas civil, penal e trabalhista; professor da UFPA/UFOPA e FIT (ex-professor do ILES/ULBRA), com Mestrado em Direitos Fundamentais e Relações Sociais pela UFPA, além de Especialização em Direito Civil e Processo Civil, Penal e Processo Penal; conquistou pelo voto direto deseus pares 7 mandatos na OAB, sendo 3 na Subseção de Santarém, inclusive presidente, 3 no Conselho Seccional do Pará (Conselheiro Estadual em Belém), e 1 de Conselheiro Federal (Brasília); possui artigos publicados em revistas jurídicas de circulação nacional. Exerceu, também, de 1984 a 1994, o cargo de Consultor Jurídico do Estado do Pará; Coordenador do Núcleo Regional de Justiça (órgão da SEJU/SUSIP); membro do Órgão Especial e da Segunda Câmara Recursal do Conselho Federal da OAB, em Brasília; presidiu a Comissão de Ética e Disciplina da Subseção da OAB/STM; professor efetivo da UFPA, hoje UFOPA (Concursado - 1º lugar) desde 1996, das disciplinas Teoria Geral do Processo, Processo Civil I, II, e III; ministroudezenas de palestras em todo o Oeste do Pará, nas Universidades e nas Subseções da OAB, inclusive em Santarém de Portugal.

A advocacia e a magistratura, como já dizia Rui Barbosa, caminham entrelaçadas, e o meu propósito é levar a experiência de mais de 30 anos de militância no foro e mais de 20 anos de magistério superior para a magistratura paraense.

Conto com o seu apoio no dia 29 de janeiro de 2015. MEU NÚMERO É 12

MSc. José Ronaldo Dias Campos (síntese do currículo).

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

PADRE COMPARA POBRES COM CACHORRO.

Para Classe Média apartamentos e bangalôs, para pobres, casinhas de cachorro
Por: Edilberto Sena
Como explicar os financiamentos da Caixa Econômica Federal para projetos de moradia em Santarém? O dinheiro é público, a intenção do governo federal é financiar moradias para milhões de sem teto do país. Vários prédios e bangalôs vão surgindo e logo habitados, por quem pode fazer empréstimos pagáveis em tempo estabelecido. Conjuntos habitacionais para classe média também vão surgindo e ocupados por quem pode pagar as prestações.
Por outro lado, a mesma Caixa financia  aquele triste cartão postal, ao lado da rodovia que liga a cidade ao aeroporto, o tal Minha Casa minha Miséria. Um absurdo de humilhação aos pobres sem teto, uma vergonha para a cidade de Santarém. 2.500  casinhas de cachorro para famílias pobres, com medidas de 6 metros por sete metros para sala, quarto, cozinha, lavanderia, para famílias de 4, 5, e até sete pessoas, como? Não há área para jardim, nem quintal, com três metros de separação das outras, de frente, de trás e dos lados. Que equipe de engenharia construiu aquilo? Para cúmulo de ironia e humilhação aos pobres, cada casinha de cachorro tem um acumulador de energia solar, mesmo que a temperatura média de Santarém hoje seja de 32 graus C`. Quem permitiu tudo isso? a empreiteira?, a prefeitura?, a Caixa Econômica?, o Ministério das Cidades? O governo federal? Ou todos juntos?
Então vem outro absurdo coroando esse desprezo pelo dinheiro público e os pobres. Desconhecendo a orientação evangélica que já dizia – “Casa construída sobre areia, vem a chuva,  os temporais e ela cai arrasada...” Assim aconteceu com o projeto Minha Casa minha Miséria em Santarém: vieram as chuvas, os temporais e o projeto caiu, as valas partiram as ruas e tudo parou. Desde há mais de seis meses a vergonha está exposta aos viajantes e aos moradores da cidade. Tudo indica que o projeto faliu porque foi construído sobre terreno arenoso. Mesmo que um dia venha a ser concluído, quem aceitará morar ali? Nem os mais pobres vão aceitar o risco de perderem seus quase nada com novos temporais.

Até o momento a sociedade não sabe nada das consequências do desastre, que já era desastre desde a concepção do projeto em tais dimensões. Ninguém diz nada, não se sabe se alguém será cobrado responsabilidade. Quem deveria cobrar? O poder público municipal? A Caixa Econômica, que financiou com dinheiro público? O Ministério das Cidades? O Tribunal de Contas da União? A justiça federal? Ou a sociedade santarena, que fica com esse vergonhoso cartão postal? Quanto recurso já foi gasto com as obras? Quem pagará os prejuízos? Estas questões todas carecem de respostas, ao menos aos que se preocupam com a coisa pública. Será que a gerência da Caixa será incriminada também? Afinal foi ela que liberou o recurso para as obrinhas.
Enquanto isso, o Movimento de Trabalhadores em luta por moradia, o MTLM, vem tentando ocupar uma área improdutiva, bem próxima da área do Minha Casa minha Miséria. Vários momentos em que a ociosa área de 200 por 2.500 metros é ocupada pelos membros do MTLM chega o tático da polícia militar acompanhado de um representante do que se diz dono da área, chega sem mandato de reintegração de posse e expulsa os ocupantes derrubando os barracos. Um delegado já chegou a registrar a líder do movimento legalizado como chefe de quadrilha. Nunca um documento legítimo de propriedade foi apresentado, mas a o tático obedece ao advogado do que se diz dono.                      
Por que dois pesos e duas medidas, uma sempre contra o povo e outra favorável às elites urbanas? Para os organizados sem teto chega logo o tático da polícia, já para os crimes cometidos no caso do projeto minha casa minha miséria, inacabado, desastrado ninguém toma providência. Certamente porque  as autoridades locais, federais e da justiça não fizeram opção pelos pobres. A opção do governo federal é o crescimento econômico a todo custo e para os pobres projetos inconsequentes como este analisado. Mesmo sendo o recurso usado de modo irresponsável na construção de 3.000 casas em terreno inadequado, nem o Ministério das  Cidades, nem o Tribunal de Contas da União dá sinal de preocupação. Os  milhares de sem teto não sabem quando e se um dia vão ocupar as casinhas de cachorro, mas os sócios do MTLM não querem aquilo nem de graça. Um absurdo escandaloso que ninguém parece se importar.

Edilberto Sena
Coordenador da Comissão diocesana de Justiça e Paz.

O padre tem toda razão se considerarmos o local escolhido e o tamanho do imóvel, realmente não dá pra aceitar um investimento altíssimo pelo governo federal que só beneficiou os donos do terreno.

POLÍCIA MATA MAIS UM FUNKEIRO.

SÃO PAULO - O funkeiro Vitor Mesquita, conhecido como MC Vitinho, de 22 anos, morreu na última quarta-feira após uma troca de tiros com policiais militares em Guarujá, no litoral de São Paulo. Com o jovem, os PMs dizem ter localizado uma pistola ponto 40 e porções de entorpecentes. Após ser alvejado, o jovem ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Uma ex-namorada do rapaz disse que testemunhas do confronto afirmaram que MC Vitinho implorou para não morrer. A Polícia Civil paulista confirma a existência desses depoimentos. Segundo a moça, o cantor não era criminoso e foi executado por policiais por causas das letras das músicas que escrevia sobre a corporação.

Pela versão apresentada pela Polícia Militar, MC Vitinho foi baleado após atirar várias vezes contra os policiais. Uma equipe da PM fazia um patrulhamento de rotina pela Rua das Magnólias e suspeitou do comportamento do funkeiro. Quando viu a viatura se aproximando, segundo os policiais, MC Vitinho sacou uma pistola e fez três disparos em direção aos policiais, que atingiram o cantor após perseguição.

Em seu perfil no Facebook, o funkeiro postava mensagens falando sobre a vontade de atirar e matar policiais. As letras de suas músicas também faziam apologia ao crime. O MC foi baleado no peito e chegou a ser levado para o Hospital Santo Amaro por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Amigos e familiares lamentaram a morte de Vitor Mesquita em sua página no Facebook. "Que sirva de exemplo. Infelizmente aconteceu essa fatalidade com o meu primo. Que todos que estão perto do mesmo caminho repensem as suas vidas. Tristeza é eterna dentro do meu coração. Que Deus conforte o nosso coração, e que tenha um espaço especial para ele", postou um parente.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

POLICIA NÃO ACEITA APELOS DE DILMA E MENOR É FUZILADO NO CONGO.

 O menor delinquente foragido da FUNASE de Caruaru é fuzilado na cidade do Congo na Paraíba.

Foi assassinado na última segunda-feira (09) próximo aos currais de Roberto de Maria de Zeca em uma localidade próximo ao Conjunto Habitacional da COHAB, na cidade do Congo (PB), o adolescente  Anderson Torres de Melo, conhecido por “Orelha” (16 anos).
Segundo informações, populares ouviram vários disparos de arma de fogo no local  e avisado a Polícia Militar, que foi ao local e se deparou com o corpo de Orelha, o mesmo foi atingido por cinco tiros.
Ele era foragido da FUNASE de Caruaru e  praticava delitos desde os 12 anos de idade. Orelha teria vindo para a casa da mãe depois de ter praticado um furto de uma moto e ferido o seu condutor na cidade de Caruaru há dias atrás.
Mesmo foragido, o menor já havia sido apreendido no município paraibano por  pilotar em uma moto em alta velocidade e não portar documentos para conduzir a moto, fato ocorrido na última semana.
“Orelha” era bastante conhecido no mundo do crime em Santa Cruz do Capibaribe.  O caso está sendo investigado pelo Delegado Paulo Rabelo, que já está ouvindo suspeitos na Delegacia do Congo

GERAÇÃO FUNK É A FALÊNCIA INTECTUAL DO JOVEM BRASILEIRO

Falência intelectual

O funk ostentação -- e certo tipo de funk em geral -- é tão ruim e destituído de qualidade artística quanto o sertanejo universitário e os cantores solo do tipo Luan Santana, Michel Teló e tutti quanti. Imaginar que esse tipo de estilo ou música possa vir a ser reconhecido daqui a quarenta ou cinquenta anos, como o foi o samba ou como se deu com o blues e o jazz nos Estados Unidos, é desconhecer o fato de que aquelas músicas e estilos são ruins e pronto.
 
O samba e o blues são resultado de transformações socioeconômicas e culturais num lugar específico e num dado tempo que possibilitaram a sua emergência e consolidação como estilo. São frutos de grandes transformações sociais e de época, num sentido positivo.
 
O funk ostentação e o sertanejo universitário também são frutos de mudança de época, mas num sentido negativo. São a marca expressa da falência cultural ocidental, seja no que estes estilos são em si mesmos ou, como se verifica no rock, que segue ladeira abaixo há décadas. É a falência da cultura ocidental em seu sentido mais profundo, clássico, de suas matrizes fundadoras que arrasta consigo as expressões culturais em todos os sentidos, sendo a música apenas uma delas.
 
A música ruim é a expressão de um lugar, de um tempo, de um tipo de vida e de uma cultura que segue se deteriorando. Não são apenas as escolas e a educação que afundou, mas certamente, a vida que brota a partir e, junto com ela. Se a classe média juvenil produziu a bossa nova e a MPB, a partir dos anos 1950 e 1960, e os clássicos hoje amplamente conhecidos, isso se deve ao solo fecundo de uma classe média que se desenvolvia num momento em que o próprio país também se projetava. A classe média, hoje, nada mais canta de novo e nem inventa nada. Pudera, ela vem se deteriorando com a deterioração da própria cultura onde está imersa.

 

De cerca de seis milhões de participantes, 250 conseguiram nota máxima na redação do Enem 2014. Não é possível que este placar não nos mostre de uma vez por todas que estamos falidos. Intelectualmente falidos. O fechamento, por falta de verba, do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, é prova irrefutável da nossa falência.

Enquanto insistirmos num sistema padronizador, em vez de um sistema diversificador, teremos deste placar para baixo. Enquanto a educação brasileira for pensada como um “X” que se marca no vestibular, continuaremos formando jovens sem grandes capacidades de desenvolvimento de ideias através da escrita e, muito provavelmente, através da oralidade. É na escrita, no ato de escrever e de ler, que pensamos sobre nossas ideias, nas causas e consequências dos pensamentos que, unidos, formarão uma opinião, da opinião um conhecimento e do conhecimento um cidadão profissional, pai de família, pensador do seu tempo e ciente do seu papel social.
Nosso sistema é um grande trator de ideias e talentos. É defasado e isso sobressai quando a Secretaria municipal de Educação do Rio de Janeiro orgulhosamente distribui um cartaz que mostra uma fila de carteiras escolares, em uma esteira de fábrica com o slogan: “Nossa linha de produção é simples: construímos escolas, formamos cidadãos e criamos futuros".
Não é simples dar educação de verdade. A educação não é linear, não pode ser de cima para baixo. Ela começa com a liberdade de seus pensadores, pela segurança de estabilidade profissional e valorização dos salários e benefícios, com instrumentos, caminhos e passagens livres para que estes condutores do futuro, pedagogos e professores, possam experimentar e criar uma educação de fato a quem mais interessa e se destina: o jovem.
É preciso que as escolas sejam pontos de cultura, de ideias, de aprendizados diferentes. Federalização e ensino integral somente não resolverão nada. A escola precisa ser um potencializador de divergências, de criações, de expressões. Há algo muito errado quando uma escola se preocupa mais com a calça rasgada ou com a falta de uniforme (que palavra tosca!!!) do que com as ideias e experiências que o aluno traz na mente.
A escola não pode ser um caixote odiado pelos alunos, para onde se vai para competir quem tirou a maior nota em Matemática ou quem ficou em menos ou mais recuperações. Quantos “xis” foram mais assertivos?
A escola deve ensinar ao aluno o amor ao conhecimento, ao seu próprio talento, à sua humanidade transformadora, ao seu espaço individual, que sempre se confunde com o do outro. A sua capacidade de pensamento. O aluno deve ter clareza de que é capaz de formular ideias e que ideias, em conjunto, formam uma convivência e a convivência, uma sociedade.
O Enem e os resultados das redações são o xeque-mate da falta de capital intelectual nos centros de ensino brasileiros. É o grito de quem sabe qual sua carência, mas não consegue pautá-la racionalmente.

.

sábado, 17 de janeiro de 2015

BLOCO DA PULGA LARGA NA FRENTE RUMO AO CARNAVAL 2015

COMO JA ERA DE SE ESPERAR TODOS OS ANOS O BLOCO DA PULGA INICIA SUAS ATIVIDADES PARA ANGARIAR FUNDOS BEM ANTES DO CARNAVAL.
UM DOS SEGREDOS DO BLOCO É NÃO FICAR A MERCÊ DO PODER PÚBLICO À ESPERA DE VERBAS, LA O PESSOAL FAZ O CARNAVAL POR QUE GOSTA MESMO, ESTÁ NO SANGUE E O RESULTADO VOCÊ VER NA AVENIDA, POR FALTA DE CONCORRENTES À ALTURA A PULGA JÁ É TRI CAMPEÃ DO CARNAVAL SANTARENO.

Programação de carnaval do bloco da Pulga inicia no domingo em Santarém

Evento no QG do bloco terá feijoada, pagode e muita música carnavalesca.
Entrada para programação é gratuita.

A programação de carnaval do bloco da Pulga inicia neste domingo (18) em Santarém, oeste do Pará. O tradicional bloco vai integrar as atividade carnavalescas no município.  O objetivo do evento é reunir amigos e simpatizantes para anunciarem a chegada do carnaval.
De acordo com a organização, o evento começa com uma feijoada a partir das 11h30. A programação continua a noite a partir das 18h30, com muito pagode e músicas carnavalescas ao som do grupo Sorriso Aberto e Bateria Show.
O QG do bloco fica localizado na Avenida Marechal Rondon, entre Barão do Rio Branco e 15 de Agosto, bairro Santa Clara. A entrada é gratuita. “Convidamos todos que possam comparecer neste domingo e se Deus quiser vamos realizar mais um grande carnaval pela Pulga. A população gosta, eles ficam à vontade e procuramos fazer todos os anos o nosso carnaval”, convida.
 
PARABENS A ESSA TURMA QUE FAZ O CARNAVAL SANTARENO. PARABENS DIRETORIA DA PULGA, NÃO DEIXEM NOSSO CARNAVAL MORRER.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

POLICIA FEDERAL - CRESCE O NÚMERO DE SUICIDIOS PRATICADOS POR AGENTES.

PF bate recorde de suicídios.

O uso político da Polícia Federal por parte do governo tem feito os agentes baterem recorde histórico de suicídios e afastamentos da instituição por problemas psicológicos e assédio moral. Neste ano eleitoral, a situação piorou: e a PF tem nada menos que 600 operações para serem deflagradas a qualquer momento –preferencialmente contra inimigos políticos do governo.

As informações são de Luis Boudens, da presidência da Federação Nacional dos Policiais Federais, a Fenapef (a congregar em todo o Brasil). Em entrevista, ele dispara os números catastróficos jamais antes vistos: nos últimos 3 anos ocorreram na PF 29 mortes: 13 delas por suicídio e 6 por acidente de automóvel, face pressões e assédio moral sofridos pelos policiais.

Como está a relação dos policiais federais com o governo Dilma?

Boudens – Péssima. No ano passado nós nos desfiliamos da CUT e assim separamos as nossas com o governo do PT. Preciso explicar que há uma grande diferença entre o legislativo e o executivo do PT. Foi por ajuda de alguns parlamentares do PT que acabamos descobrindo que havia um plano do governo para limitar e intervir na atuação legal dos policiais federais. Vivemos um paradoxo: há 13 anos a PF é a instituição que segundo as pesquisas mais credibilidade goza junto ao povo brasileiro. Mas o PT faz uso da PF para manter sua governabilidade com o uso de delegados da Polícia Federal. Isso é feito direto por um órgão da diretoria da PF, de assessoria parlamentar, chamado Aspar-PF.

 

PRESSÃO: Deputado sertanejo denuncia onda de suicídios dentro da Polícia Federal

O alto índice de suicídios de agentes da Polícia Federal foi o tema do discurso do deputado federal Gonzaga Patriota, nesta quarta-feira (11), em Brasília. O parlamentar externou sua preocupação diante dos dados apresentados pela Revista Isto É. A revista trás uma contundente matéria intitulada “Onda de suicídios assustam” sobre o alto índice de suicídios entre policiais federais. Em um ano 11 agentes da Polícia Federal tiraram a própria vida.
De acordo com o parlamentar, em 40 anos, 36 policiais perderam a vida no cumprimento do dever. Entre 2012 e 2013 um terço deste total se suicidou. “São absurdas e assustadoras essas estatísticas, e superam quaisquer outras registradas em outros países. Isso se torna ainda mais preocupante quando constatamos que as ações da Polícia Federal são extremamente perigosas, expondo todos os dias os seus agentes a eminentes riscos de morte. Algo de muito grave está ocorrendo para que o número de suicídios seja bastante superior ao número de mortos em ação”, destacou Patriota.
Gonzaga Patriota qualifica como epidêmicos esses altos índices de transtornos mentais que atingem os policiais federais, mas o parlamentar acredita também que existam outros fatores que contribuem para esse quadro, entre eles a falta de acompanhamento profissional.
“Segundo o Sindicato dos Policiais do Distrito Federal, há apenas cinco psicólogos para uma corporação de 10 mil pessoas, não há vagas para consultas e tampouco acompanhamentos dos casos. Aliado a isso a Polícia Federal encontra-se com salários extremamente defasados, que levam os policiais a se endividarem, como ocorreu com o policial Lúcio Mauro de Oliveira Silva, de 38 anos, que se matou em março deste ano, após se encher de dívidas, em Pacaraíma, Roraima”, disse.

MP TENTA ADIAR EXECUÇÃO DE BRASILEIRO NA INDONÉSIA

Procurador pede ao MP da Indonésia para adiar execução de brasileiro

Brasileiro foi condenado à pena de morte por tráfico de drogas.
Execução da pena, por fuzilamento, está marcada para este fim de semana.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta sexta-feira (16) uma carta ao chefe do Ministério Público da Indonésia para pedir que o governo daquele país adie por oito semanas a execução do brasileiro Marco Archer, condenado à morte por tráfico de drogas.

O fuzilamento está marcado para a meia-noite de domingo (18) – 15h de sábado (17) no horário de Brasília.
Na correspondência, há ainda um pedido para tentar substituir a pena de de morte de outro brasileiro, Rodrigo Goularte, cuja execução ainda não tem data definida. O objetivo é ganhar tempo para uma negociação que leve à reconsideração da pena de morte.
Mais cedo, ainda nesta sexta, a presidente Dilma Rousseff fez um apelo por telefone ao governante da Indonésia, Joko Widodo, para poupar a vida dos dois brasileiros, mas não foi atendida. Widodo respondeu que não poderia reverter a sentença de morte imposta a Archer, “pois todos os trâmites jurídicos foram seguidos conforme a lei indonésia e aos brasileiros foi garantido o devido processo legal”, segundo nota da Presidência.
Na carta ao MP da Indonésia, Janot escreveu que concorda que o tráfico de drogas é um crime “muito grave, que merece a devida punição” e que respeita os esforços da Indonésia para combatê-lo.
Mas ele pede que sejam consideradas outras formas de punição, mencionando o cumprimento da pena em prisão no Brasil, com um acordo "ad hoc" (destinado somente a esse caso) entre os dois países. O procurador-geral também disse, segundo a assessoria da PGR, que não pretende desrespeitar a soberania da Indonésia nem pedir anistia aos brasileiros condenados.

"Apesar de seus atos ilícitos, devemos considerar a situação extrema de ser sentenciado à morte em uma terra estrangeira. Tal circunstância produz uma sensação de solidão e abandono", argumentou Janot na carta.
Acrescentou que uma eventual decisão favorável a Archer e Goularte será lembrada pelos brasileiros como um “ato de humanidade e boa vontade”, que “irá certamente elevar as perspectivas para cooperação bilateral”.

FALTA DE AGUA PREJUDICA O TRABALHO DA PF.

Operação Lava Jato é suspensa por falta d'água.

Nestor Cerveró, Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa foram liberados hoje cedo da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, para onde haviam sido transferidos a pedido de seus advogados. "Não deu nem pra tomar banho", resmungou Cerveró, apontando para os sovacos. "Tivemos que interromper a Lavo a Jato por falta d´água", lamentou o juiz Sérgio Moro, enquanto abria torneiras secas diante de um batalhão de repórteres. "Apesar da chuva de provas, o nível do esquema Pasadena permanece estático", concluiu o juiz, evitando derramar lágrimas para dar exemplo contra o desperdício.

Resignado, o governador Geraldo Alckmin admitiu que há racionamento de água em São Paulo. "Também admito que há engarrafamentos na hora do rush. E, sim, sou careca. Era isso o que vocês queriam?", sussurrou, com um fio de voz. Em seguida, enviou a Tropa de Choque para resolver o problema da Cantareira.
A Polícia Federal, no entanto, acredita que o esquema de corrupção na Petrobras não vai secar tão cedo.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

TAPA NA CARA IRRITA PARLAMENTARES QUE PROTESTAM EM BRASÍLIA

As músicas "Tapinha", cantada por MC Bela & MC Naldinho, e "Tapa na Cara", do Pagod'art, levaram deputadas e senadoras de vários partidos até o secretário Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Gilberto Saboya. Elas consideram as músicas uma apologia à violência contra a mulher.
Como essas músicas estão a toda hora sendo tocadas em rádios, em programas de TV e, certamente, irão popularizar-se ainda mais durante o carnaval, as deputadas querem a realização de uma grande campanha na mídia pregando a "integridade física das mulheres".
O secretário demonstrou solidariedade com a preocupação das deputadas, mas não acenou de imediato com qualquer solução. "Eu não posso censurar essas músicas", ponderou o embaixador que, no entanto, manifestou o seu repúdio às letras relatadas pelas deputadas.
"Se te bota maluquinha, um tapinha eu vou te dar porque dói, um tapinha não dói", diz uma das letras. A outra música conta que a mulher pede ao amante um tapa na cara e o rapaz demonstra, de início, até uma certa relutância porque não tem o hábito de bater em mulher, mas acaba concluindo: "com amor, se você quiser...eu vou te dar".
A deputada Iara Bernardi (PT-SP) comentou que as músicas estão sendo tocadas até a saturação em programas de domingo nas TVs, incluindo no Xuxa Park destinado a crianças e adolescentes. E teme retrocessos no trabalho de combate à violência contra a mulher a partir da "banalização" de um tapa na cara que seria promovida pelas músicas. "Se o tapa é natural, o que será depois disso: o estupro?", protesta a deputada.
Opinião dos leitores
A redação da revista Consultor Jurídico recebeu várias mensagens de manifestação sobre as atitudes das parlamentares e as músicas polêmicas.
Segundo os psiquiatras Henrique Bon e Márcia Salomone, "as letras de algumas músicas banalizam a violência e são veiculadas com exaustão em programas de televisão".
"A mídia tem a capacidade de vender comportamento, banalizando atitudes francamente preconceituosas, explicitamente violentas, por vezes tangenciando a psicopatia, superficializando em geral as conseqüências", comentaram os psiquiatras.
De acordo Bon e Márcia, é necessário pensar em medidas democráticas e legais que possam ser tomadas contra músicas do gênero, "sem ranço de censura ou retorno a tempos sombrios".
Alguns leitores, que não se identificaram, discordam da posição das deputadas e senadoras. Segundo um leitor, elas deveriam se preocupar com outros fatos que acontecem no Brasil. "Como a rebelião que ocorreu no último fim de semana em São Paulo", exemplificou.
Outro leitor considerou que as parlamentares deveriam estar empenhadas em "amenizar a fome das crianças pobres em vez de se preocupar com músicas".

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

LIRA MAIA, DE VOLTA AO ACONCHEGO DO PMDB

Lira Maia, o maior lider santareno, deverá retornar ao PMDB e cair no colo do PT.

 

O quase ex-deputado federal Lira Maia deverá voltar às hostes do PMDB e de quebra cair no colo do PT paraense, que sobrevive à reboque de Jader Barbalho.
Listado entre os políticos campeões de processos no STF [Supremo Tribunal Federal] e agora desprestigiado no DEM estadual, por ter feito a loucura de se aliar aos Barbalho com intenção de virar vice-governador mesmo sabendo que o Democratas continuaria aliado de primeira hora do governador reeleito Simão Jatene, Lira Maia está de malas prontas para mais uma vez assinar a ficha de filiação do PMDB, com o abono do morubixaba peemedebista do Pará, Jader Barbalho.
O retorno terá como recompensa uma vaga no governo federal, provavelmente o comando da Secretaria Regional de Pesca, órgão responsável pela organização dos pescadores artesanais, que tem sede na capital paraense, e é vinculada ao Ministério da Pesca, como se sabe, sob o comando de Helder Barbalho.
Assim sendo, mais do que nunca, Lira Maia virará companheiro dos petistas paraenses, principalmente dos santarenos, seus arqui-inimigos, com quem trava uma batalha sangrenta há anos.
E tem mais, se tal prognóstico se confirmar o cenário político do oeste do Pará mudará radicalmente, por que Lira Maia vai nadar de braços dados com Everaldo Martins, Maria do Carmo & Cia. Quem sabe essa patota pode até pensar em uma chapa para disputar a eleição municipal de Santarém em 2016 com a seguinte composição: Maia na cabeça e alguém do PT de vice, de repente até a ex-prefeita Maria do Carmo ou seu irmão, o médico e ex-deputado Carlos Martins.
Tudo é possível em se tratando de PMDB e PT...

CARTA DO MARÓ

O grande chefe branco
Quer comprar as nossas terras
Quer nossa amizade
Mas não precisa dela
Tão certo como as estações do ano
Trarão armas na certa
Pela paz dos nossos filhos
Vamos pensar na oferta
Ninguém compra ou vende o céu
Nem o calor da terra
Como podem comprá-los de nós?
A ganância do homem branco
Empobrecerá a terra
Deixando desertos e sóis
Jamais se encontra a paz
Na cidade do homem branco
Não se ouve a primavera
Nem o crescer do campo
Porém, se aceitarmos a oferta,
Imporemos condições
Daremos nossas mãos
Homens, animais e árvores
Vivendo como irmãos
Mais depressa que outras raças
O branco vai fazer
A sua desaparecer
Restará o fim da vida,
Mulheres tagarelas,
E a luta pra sobreviver
[Como um recém-nascido
Ama o bater do coração de sua mãe
Se vendermos nossas terras
Ama-a, como nós a amávamos
Protege-a, como nós a protegíamos
Ferir a terra é demonstrar
Desprezo pelo criador
Com força, poder e coração
Conserva-a para teus filhos
Nosso Deus é o mesmo Deus
Esta terra é querida por ele
Nem mesmo o homem branco
Pode mudar o nosso destino comum.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

DIRIGIR CHUPANDO PODE DAR MULTA

Motorista é multado por dirigir chupando bala em SP.

Um motorista foi multado ontem na rodovia José Ermírio de Moraes (Castelinho), em Sorocaba (SP), por dirigir chupando uma bala de menta. O homem, um empresário de 32 anos que pediu para não ser identificado, estava ao volante de um Porsche quando foi ultrapassado por uma viatura da Polícia Rodoviária Estadual e recebeu sinal de parada. Segundo contou à TVTem, o policial o advertiu por ter tirado a mão do volante para levar à boca um drops.
O motorista perguntou se receberia uma multa por isso e o policial assentiu. Ele então pediu que a suposta infração constasse da multa. Na autuação entregue ao motorista, o policial citou o artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro que considera infração dirigir com apenas uma das mãos ao volante. No espaço reservado às observações, o policial grafou: "Dirigindo comendo drops menta". Segundo ele, antes de aplicar a infração, o policial conferiu os documentos, os pneus, as placas e o extintor de incêndio do veículo. Como encontrou tudo em ordem, teria encontrado na guloseima o motivo para a multa.
O motorista informou que vai entrar com recurso. Ele acredita que houve exagero na autuação e que foi multado apenas porque dirigia um carro de luxo. O comando da Polícia Rodoviária Estadual informou que o ato praticado pelo motorista configura infração. O artigo 252 do CTB, no inciso V, considera infração média "dirigir com apenas uma das mãos, exceto quando deva fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha do veículo, ou acionar equipamentos e acessórios do veículo."