Siga me

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

INDIOS GENÉRICOS

ESTRANGEIROS ESTÃO AFIRMANDO SER ÍNDIOS PARA RECEBER VANTAGENS DO GOVERNO BRASILEIRO.

INDIOS GENÉRICOS 

A coordenadora da Ong Recovê, Roseli Maria Ruiz, revela que está levantando provas de que paraguaios e bolivianos que se passam por índios, moram em aldeias da região de fronteira, onde a Funai (Fundação Nacional do Índio) determinou os estudos antropólogicos que futuramente pode resultar em demarcações.Segundo ela, a Ong entregou ontem ao governador André Puccinelli (PMDB) um documento provando que um paraguaio se passa por “cacique” e que convive entre índios em uma aldeia da região.

Roseli informou que o governador pretendia levar o documento e apresentar ao presente do Supremo Tribunal Federal (STF), com quem teria uma audiência ontem.
“São muitas as denúncias que temos de falsos índios que fazem documento no Brasil e recebem benefícios, fruto de nossos impostos”, afirmou Roseli. Ela lembra que existem muitas denúncias de falsidades ideológicas. “As denúncias são muitas, mas o problema é levantar a documentação”, disse.

Um exemplo que chegou até a Recovê ontem à tarde, é o caso de uma pessoa que se declara índia, mas que na verdade é possível que seja branca e de descendência boliviana, por causa das contradições das informações nos documentos.
A certidão de casamento da mulher, de 1986, declara que ela nasceu em Campo Grande e que o pai é nascido em Miraflor, na Bolívia. Já a certidão de nascimento de índio da mulher, expedido pela Fundação Nacional do Índio (Funai), declara que o pai dela é da aldeia Buriti e descendente da etnia Terena.
De acordo com Roseli, a documentação da pessoa será entregue ao governo do Estado para que faça as investigações. As provas serão juntadas às ações que estão sendo encaminhadas pelo Estado, a fim de impedir demarcações.

O objetivo é provar que o número de índios em Mato Grosso do Sul não é o que declara a Funai para ter motivos de futuramente fazer demarcações de terras de forma indiscriminada.

DEMARCAÇÃO. Até ontem os produtores rurais da região de Dourados não tiveram informações de que os trabalhos dos estudos antropólogicos teriam começado na região. A maior apreensão dos produtores rurais é que a Funai não informa quais áreas dos 26 municípios, vão passar pelas pesquisas antropológicas..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FIQUE A VONTADE.